Planejamento estratégico: você está jogando seu tempo fora?

Embora seja essencial para todos os negócios, atualmente identificamos uma grande dificuldade no desenvolvimento do planejamento estratégico das empresas.

Por isso, decidimos explanar um pouco o assunto, orientando novos empreendedores, apontando costumes que não rendem bons resultados. Quer saber quais são eles? Venha conosco nesta leitura!

Afinal, o que caracteriza o planejamento estratégico?

O planejamento estratégico — por mais óbvio que isso seja — deve ser sobre estratégia. Muitos planejamentos não tem, de fato, foco na estratégia.

É um erro muito comum. Falamos sobre orçamentos e recursos, mas esquecemos de debater o que é o negócio ou de fazer uma profundo análise do mercado.

O planejamento precisa:

  • abordar esquemas;
  • tomar decisões acerca de realocamento de recursos;
  • implementar ações dentro de um tempo real;
  • desenvolver os potenciais da equipe;
  • integrar as áreas às decisões.

Se os planos não seguem essas orientações, temos uma má notícia: seu planejamento não têm nada de estratégico.

Um negócio é construídos de produtos e pessoas, além de dinheiro. Mesmo assim, muito se fala sobre números sem nenhuma interpretação, mas pouco acerca de resultados financeiros reais.

produto de todo o giro da empresa, que envolve processos — mesmo que relacionados ao capital — e não apenas valor monetário.

A boa notícia é que se você está lendo e se identificou, há tempo de abandonar essas práticas e adotar novas formas de lidar com seu empreendimento.

Primeiramente, se a sua ideia de estratégia é uma conversa maçante e quase sacrificial, é preciso desvencilhar esse pensamento.

Como tornar aprimorar o planejamento e contemplar estratégias?

O planejamento estratégico renova os ares, deixando todos incentivados e cheios de energia. É como arregaçar as mangas para dar continuidade  ou início ao bom trabalho, com a esperança e certeza de resultados excelentes. Mas como colocar isso em prática? Veja 4 passos a seguir!

Começando por uma boa estratégia

O primeiro passo é determinar tempo e local para que a diretoria discuta a estratégia. Deve haver um espaço construído para esse fim, reservando tempo exclusivo de todos os membros da equipe, para pesquisas e considerações. Isso para tornar essa conversa positiva, construtiva e acima de tudo, possível.

O planejamento estratégico está ligado à questão orçamentária da empresa, então como o segundo item tem frequência anual, o planejamento acaba por ser revisado apenas anualmente também.

O que acontece é que cada empresa tem um funcionamento singular, portanto, não adianta prever que o mesmo molde vai funcionar para todas, pois não vai.

Depois de determinar as estratégias, é preciso definir um ritmo que atenda a necessidade do negócio para revisão dessas estratégias. 

Lembre-se de que cada área pode ser independente no encaminhamento dessas questões, pedindo modos diferentes para cada revisão, de acordo com a necessidade. Cabe aos gestores identificar e definir isso.

Realocando recursos

Uma estratégia que apenas fala de realocação de recursos mas não implementa soluções para realocar, é totalmente falha.

Sabemos que, na prática, pode ser difícil reduzir recursos de uma área para injetar em outra, por isso, é necessário que haja uma ampla discussão sobre, terminando em decisões acerca de realocamentos necessários.

É essencial identificar uma linha temporal que demonstra o momento adequado no qual cada investimento deve expressar valor. Dentro de um tempo x (as metas precisam ser realistas e possíveis), tantos por cento de recurso y serão realocados para prioridade estratégica z.

Desenvolvendo talentos

Há empresas que não fazem diferença entre líderes e seguidores. Nesse ambiente, todos devem entregar o mesmo resultado/desempenho, independentemente do seu nível de técnica.

Não gaste energia cobrando uma postura de liderança de um seguidor, nem equipare as metas sem considerar a capacidade de carga de cada um. Enquanto isso, os colaboradores de alta performance ficam, na verdade, ociosos.

Estratégias que são definidas sem considerar os talentos e como usá-los em prol do negócio, entendendo no que implica essa operação, são ineficientes e não usam todos os recursos para o melhor resultado.

É preciso definir onde a empresa deve estar, como ela pode crescer com isso, quais talentos são precisos nesse momento, onde eles vão ficar e como serão usados. Tudo isso deve estar por trás de cada objetivo estratégico.

Aplicando ações que traduzem o planejamento

O planejamento nem sempre tem caminhos sólidos e concretos quando vai para a parte de execução.

Quando a estratégia não está ligada às rotinas, ela não é expressada pelo operacional da empresa. Em outras palavras, as principais pessoas que fazem contato com o cliente não sabem representar o que o negócio é, sua visão, missão, valores etc.

É importante determinar o processo de criação ligado à linha de frente. Assegure a representação da parte operacional nos processos internos, seja na tomada de decisão ou em formato de treinamento.

O produto de uma empresa é sempre o valor que ela oferece. Não traduzir isso no trabalho cotidiano é como sabotar o desempenho do negócio por falta de boa administração.

É dever do gestor, organizar os recursos para potencializar o trabalho da equipe, através de capacitação. Assim, o planejamento estratégico contempla todas as áreas importantes do empreendimento.

Este post foi útil para você? Siga o Instagram da Resultado em Foco e receba doses diárias de 

Deixe uma resposta 0 comentários