5 Forças de Porter: entenda o que são Forças Competitivas

Você já ouviu falar das 5 Forças de Porter? Pois esses elementos fundamentam uma análise crucial para a gestão excelente. Além disso, aa análise das Forças competitivas constata quais são as vantagens e espaços abertos dentro da atuação. 

Trata-se de descobrir sobre a concorrência, sendo capaz de criar estratégias para se destacar. A ideia é fazer um levantamento das vantagens competitivas dos oponentes, além de elencar aspectos do cenário no qual a empresa se insere. Ficou interessado? Venha conosco nessa leitura!

Quais são as 5 Forças de Porter?

As Forças de Porter também são conhecidas como forças competitivas. O primeiro aspecto trata de analisar a relação da concorrência. Depois, fala-se sobre o poder que os fornecedores têm na negociação. A terceira força é sobre o poder de barganha em relação aos clientes. 

Na sequência analisam-se duas fortes ameaças: o risco de perda por novos entrantes no seu mercado e a possibilidade de substituição por outros produtos e serviços. Sendo assim, vamos ver as 5 Forças de Porter mais de perto nos tópicos a seguir. Acompanhe!

1. Concorrência

A primeira Força de Porter trata a rivalidade entre concorrentes. O objetivo é entender o quanto o seu negócio é competitivo em relação aos outros que disputam o mesmo mercado. Assim, o potencial do seu empreendimento pode ser destacado.

Como funciona o setor no qual a sua empresa atua? Saber quem é maior ou menor na área não basta. Busque respostas para as seguintes perguntas:

  • quantos concorrentes o seu negócio, produto e/ou serviço tem?
  • qual é o diferencial competitivo de cada concorrente? 

Nesse último tópico, você deve citar preço, posicionamento de mercado, entre tantas outras vantagens possíveis.

2. Barganha dos fornecedores

Aqui a lógica é bem simples: quem tem mais poder de negociação, você ou seus parceiros?

Pense na relação da empresa com quem entrega os materiais para seu negócio acontecer e analise se esses fornecedores dominam a situação ou se você tem como apontar as regras. Diante disso, use as seguintes perguntas:

  • quantos fornecedores viáveis para a sua empresa existem?
  • o que diferencia um fornecedor do outro? qual é o porte de cada um?
  • quanto custaria trocar de fornecedor?
  • você precisa mais dele do que ele de você ou o contrário?
  • quem está na posição mais favorável para alçar condições melhores, a sua empresa ou o fornecedor?

Pense o seguinte. Se a quantidade de fornecedores for alta e eles entregarem mais ou menos os mesmos serviços, você tem mais liberdade para lançar ofertas e conseguir melhores negócios para a sua gestão.

Pois o mesmo acontece na situação inversa. Se há apenas uma empresa que fornece o que você precisa, ela pode jogar preços lá em cima, trabalhar com prazos largos etc., pois o poder de negociação está nas mãos dela.

3. Barganha com clientes

Acerca do poder de negociação com o cliente, então, você pode seguir mais ou menos a mesma linha de raciocínio do que com os fornecedores.

Entretanto, o diferencial é que você precisa descobrir quem tem mais possibilidade de barganha: é a sua empresa ou o consumidor de seus serviços e produtos? Veja as perguntas cruciais:

  • qual é a proporção entre o número de empresas que fornecem o mesmo produto que eu — concorrentes — e compradores desse produto?
  • no meu processo de compra e venda, o ticket médio do cliente tem muita relevância?
  • os clientes têm poder para engajar potencialmente outras pessoas a consumir ou não a minha marca?
  • nesse cenário, quem pode negociar mais, eu ou o cliente?

Pois bem: o consumidor sempre vai ter mais condição de negociar quando o produto que você oferece for muitíssimo similar ao da concorrência. Se a sua empresa e os oponentes oferecem as mesmas condições, preços etc., é indiferente para o cliente escolher você ou eles.

Já os serviços, por exemplo, carregam maior barganha para a empresa geralmente, pois o cliente precisa da prestação e, consequentemente, cedem às condições da oferta. Por isso também é tão importante trabalhar um diferencial competitivo!

4. Novos entrantes no mercado

O seu negócio precisa se preocupar com novos nomes no mercado? Para saber se sim ou não, você precisa avaliar qual é o grau de dificuldade de entrar no seu ramo de atuação. Sendo assim, responda as questões:

  • quais são os desafios para quem quer entrar na minha área? isso traz algum benefício para o meu negócio?
  • o custo inicial para abrir um negócio no meu setor é alto ou baixo?
  • a legislação, as regulamentações, credenciamentos e afins, necessários para atuar na minha área, são simples de conseguir?
  • o mercado no qual minha empresa está inserida oferece benefícios para novos ingressantes, como fundos de investimentos, incentivos fiscais etc.?

Quanto mais difícil for a dificuldade técnica, quanto mais alto for o custo de investimento e manutenção, quanto maior for o tempo de retorno sobre o investimento, mais complicada é também a entrada de novos players no mercado. Dessa forma, o mesmo ocorre inversamente.

5. Produtos substitutos

Essa ameaça trata sobre serviços e produtos equivalentes. Além de pensar sobre os concorrentes diretos e se preocupar com novos entrantes, é preciso analisar também quais são as variáveis do mercado que podem substituir o seu negócio.

Portanto, a ideia é investigar a possibilidade do seu produto se tornar obsoleto. Responda:

  • é difícil encontrar outras soluções que tenham resultado melhor ou igual ao da minha?
  • o que eu faço pode ser automatizado ou terceirizado?
  • há algum protótipo ou projeto em andamento que promete sanar a necessidade do produto ou serviço que eu entrego?

Imagine o uso do fax. Os e-mails simplesmente extinguiram a existência deles no mercado. Sendo assim, é preciso analisar com cuidado a sua área de atuação, pois tecnologia e inovação pode sim representar uma grande ameaça.

Mas se você prever isso e aproveitar a situação, pode converter a ameaça em oportunidade, planejando novas formas de atuação.

Como usar as Forças Competitivas para fortalecer a minha gestão?

O objetivo das 5 Forças de Porter é fornecer informações estratégicas acerca do posicionamento da sua empresa diante da concorrência, dos parceiros e dos clientes. Assim, ao ver pontos fracos e oportunidades, você pode melhorar o que é necessário e aproveitar os espaços encontrados.

Dessa forma, você pode decidir focar em um nicho, trabalhar determinada vantagem competitiva, diminuição de custos, novas parcerias, entre outros aspectos. Como avaliar se a tomada de decisão é boa? Use ferramentas para nortear você: conheça também a Análise SWOT!

Deixe uma resposta 0 comentários